Yamaha 667, Conn 8D,Holton 180: várias questões sobre trompa

Dúvidas em Relação à Trompa, questões técnicas, de execução, construcção, interpretação, etc...

Moderadores: Gil Brasil, rmatosinhos

Responder
Avatar do Utilizador
Gil Brasil
Moderador
Moderador
Mensagens: 931
Registado: 31 dez 2009, 17:59
Localização: Minas Gerais, Brasil

Yamaha 667, Conn 8D,Holton 180: várias questões sobre trompa

Mensagem por Gil Brasil » 26 dez 2010, 22:14

O trompista Celso Junior postou estas questões, respondo aqui para tentar ajudar todos que porventura tenham as mesmas dúvidas. As frases em itálico são perguntas do Celso:

Caro Celso:

Toquei entre 1991 e 1992 com uma trompa Weril Master 1990, Fá-Sib, de pistos. Somente em setembro/2007 voltei a tocar a trompa novamente, e toquei a mesma Weril por um ano, depois troquei por uma Conductor, Fá-Sib (chinesa), e agora em dezembro/2010, estou com uma Holton 180 seminova.

É verdade que não temos conhecedores da trompa na CCB, também é aceitável, pois a trompa é altamente complexa. Tudo que aprendi sobre trompa foi sozinho, pedindo informações, pesquisando, trocando ideias, mas isso é o melhor de tudo, pois aprender lutando é melhor do que ganhar tudo pronto.

Te digo que tenha calma, tudo tem seu tempo certo e a trompa realmente é o instrumento mais difícil da orquestra, até mais do que o piano. E no Brasil as trompas de qualidade custam um absurdo, e infelizmente, barato só as chinesas, e a Weril deixa muito a desejar, pra te falar a verdade, é uma das piores trompas do mercado, entre Weril e as chinesas Conductor ou Eagle, é melhor qualquer chinesa. E isso não sou eu quem falo sozinho não, já troquei ideia com muita gente e a Weril, além de cara, não tem qualidade.

Minha dificuldade é no testar várias trompas, não tenho contato com este mundo elitizado de músicos, e me sinto um peixe fora d´água.
Pois bem, não tenha vontade de fazer parte do mundo elitizado de nada, porque não precisa, o que vale é a sua pessoa, o seu caráter, a sua intenção de louvar a Deus, e em relação a trompa, se torna mais complicado pelos fatores que já citamos: no Brasil falta professores, falta de instrumentos de qualidade a preço acessível, etc.

Estou pirando ao tentar entender questões de timbre, sonoridade, funcionamento do instrumento, posição, melhor bocal etc. :lol: :lol: :lol: Não pire, uma coisa de cada vez, posto abaixo algumas dicas.

1. Timbre e sonoridade: são coisas que você aprenderá com o tempo, naturalmente você se definirá. O principal é conseguir as notas naturais e cromáticas que você precisa tocar e depois você vai melhorando a sonoridade, timbre, e descobrindo qual é o melhor bocal. A sonoridade se refere ao som total, completo que você consegue e, para isso, o timbre é que vai fazer a diferença. Assim para facilitar o entendimento, cada trompista tem um timbre particular, mas existem alguns elementos básicos: timbre escuro, timbre brilhante; tons fortes, dispersos, claros ou escuros; mais agudo, mais grave; mais alegre, mais melancólico; mais cheio, mais direto; mais projetado, menos projetado no ambiente. A sonoridade será a composição desses elementos, que dependerão de você (estudo, suas características físicas, aptidão para uma ou outra coisa, dedicação, tempo dedicado), da sua trompa e do seu bocal.

2. Posição: a posição de tocar deve ser sentada, com as pernas um pouco relaxadas, abdômen firme, posição ereta, instrumento colocado a direita do corpo (alguns trompistas preferem junto ao corpo, outros mais longe), mas a maioria gosta do instrumento mais rente ao corpo, dando maior controle de chaves e da mão direita na campana.

3. Funcionamento: a trompa mais comum é a dupla; funciona em Fá ou em Sib, devendo haver uma escolha sobre o que precisa. Em Fá é mais harmonioso, som mais escuro, mas as notas agudas são mais difíceis; em Sib, o som é mais brilhante, mais direto, mas facilita as notas agudas. A sonoridade entre Fá e Sib é relativa, pois depende da intenção e da necessidade. Os trompistas costuma alternar entre Fá e Sib para determinadas notas, mas se quiser tocar só uma afinação também pode, é questão de escolha.

4. Mão direita na campana: veja este tópico
http://trompista.com/pt/viewtopic.php?f=10&t=842

5. Bocal: veja estes tópicos
http://trompista.com/pt/viewtopic.php?f=10&t=697 http://trompista.com/pt/viewtopic.php?f=10&t=920
viewtopic.php?f=10&t=867 viewtopic.php?f=10&t=202
Em resumo, o diâmetro interno do bocal (no contato com os lábios) não deve ser nem largo nem estreito demais, nem ter as bordas muito finas ou grossas demais. Farkas sugere bocais médios. Copo profundo e em forma de U, é melhor para notas médias e graves, requer mais ar, mais vigor físico, te dá mais opções sonoras; copo raso e em forma de V, melhor para médios e agudos, requer menos ar, mas não te dá tantas opções sonoras. Isso é apenas uma opinião. Não necessariamente nesta ordem, bocais excelentes são JK, Bach, Holton, Paxman, Denis Wick, Schilke, Giardinelli, entre outros.

Recentemente me encantei com uma anúncio de venda de uma trompa yamaha 667, super nova no mercado livre. E lendo a respeito dos intrumentos, não estou seguro que seria um boa compra. Gostaria de uma opinião sua, já que não conseguirei testar estas mascas, de qual a melhor alternativa dos modelos acima, que são de mesma faixa de preço.

De fato, a Yamaha produz instrumentos com ótima qualidade, tem uma padronização satisfatória, mas é uma empresa que produz uma gama enorme de instrumentos, o que é um obstáculo para ela conseguir atingir excelência em tudo.

A Conn 8D é um considerada uma das melhores da marca, mas precisa levar em conta o seu interesse e necessidade, já que a Conn, de forma geral, tradicionalmente não é ideal para quem quer notas agudas e agudíssimas. Li muitos reviews americanos de gente trocando Conn e Yamaha por Holton e Hans Hoyer (esta é top, na minha opinião, perde por pouco para Alexander, Schmid, Paxman [acho que mais pela fama dessas três últimas], mas é bem parelha com Lewis & Durk, Cornford, Dieter Otto). Isso tudo é opinião minha, se alguém discorda, tudo bem, estamos só trocando ideias. Caso o seu interesse seja o contralto, não te aconselho Conn, mas se for o tenor, aí sim, pode ser.

Entre as três que você perguntou (Yamaha YHR667, Conn 8D e Holton 180), aconselho fortemente a Holton 180, pois a Holton é especializada em trompas. O modelo 180 é muito leve, afinada, balanceada, acabamento impecável, chaves e rotores ótimos, e claro, é ideal para quem precisa de agudos. Estou com a Holton há um mês e achei fantástica, muito melhor que as outras que toquei, não tem comparação. Ainda preciso aprender muito dela, as possibilidades são muitas e só com tempo e estudo que vou descobrir todo o potencial dela.

No mercado livre há uma alexander 103 à venda. Os ânimos sobe quando se fala de uma alexander. Pode me ajudar na escolha?
Alexander 103, wowowow, aí não é um simples upgrade, é top das tops. Eu a vi também no ML, mas o preço para mim era impraticável. Mas, é preciso ver o instrumento, testar, pagar 10 mil e não ver o que tá comprando, eu não aconselho mesmo. Se você quiser correr o risco, fica por sua conta.

Mas atenção: é essencial verificar a condição do instrumento, não dá para comprar de qualquer pessoa sem conhecer, é muito importante a confiança, e se não for empresa, aí fica mais difícil ainda, porque empresa tem que manter a moral na praça, agora se for pessoa física, nem sempre é confiável, já que não terá como cobrar nada, nem mesmo uma garantia de 3 meses, por exemplo. O ideal ver o instrumento, dar escalas, verificar o estado de conservação, o funcionamento dos rotores e chaves, se não estão agarrando ou moles, se não tem amassados médios e graves, se tiver ondulações leves até dá para encarar, dê uma escala natural e cromática, se não tem soldas soltas. Particularmente, eu só compro uma trompa usada se estiver em condições ótimas ou excelentes, esse negócio de pagar 6,7,8,9, 10 mil numa trompa que tem detalhes médios e graves é fria, sou muito exigente, não dá mesmo pra se deixar levar pela emoção. O problema que tem gente que detona o instrumento, enche de amassadinhos para lá e pra cá, acaba com as chaves, depois quer vender como se fosse “nova”. A Holton 180 que comprei está simplesmente nova, não tem nenhum amassado, rotores perfeitos, a pintura, olha não tem detalhe, quem a viu, achou que era nova. Só que eu pesquisei durante um ano, e somente fechei negócio com uma loja extremamente profissional e responsável, se não iria esperar mais até achar “a trompa”.

Deus o abençoe.
Amém.
Gil Brasil

Dhy83
Membro Nível 1
Membro Nível 1
Mensagens: 2
Registado: 18 ago 2019, 17:39

Re: Yamaha 667, Conn 8D,Holton 180: várias questões sobre trompa

Mensagem por Dhy83 » 29 ago 2019, 14:09

Então, simplificando, a trompa Conn 8d não é aconselhável? São agudos difíceis?
Dhyego Uriel

Responder

Quem está ligado:

Utilizadores neste fórum: Nenhum utilizador registado e 4 visitantes